Com sorriso natural, Julianne também merece um Oscar pelo bom senso

Aos 54 anos, Julianne Moore é a grande vencedora do Oscar de melhor atriz Julianne 2neste ano, pela sua interpretação de uma mulher que sofre Alzheimer, em “Para sempre Alice”. Sorriso é o que não faltou nas suas fotos da premiação, como era de se esperar. Mas, em se tratando especialmente dessa bela e talentosa mulher, seus dentes sempre foram um diferencial, algo muito marcante em sua expressão.

Julianne foi brindada pela natureza com dentes bem bonitos: grandes, mas proporcionais com os seus traços, além de bem alinhados na parte superior, com a exposição ideal de gengiva (nem demais, nem de menos). Embora seus dentes inferiores apresentem um leve apinhamento, principalmente o 33 (canino inferior esquerdo), que está bastante inclinado para o meio da face, revelando pouco espaço para todas as unidades dentárias, isso não chega a gerar problemas estéticos.

Entretanto, o mais notável nos dentes da atriz é que eles parecem, ao mesmo tempo, bem cuidados e num tom muito natural.

Diferentemente do que é comum vermos hoje em dia, com padrões de beleza que buscam tanta “perfeição” que chegam a se tornar bizarros, ela (ainda?) não se rendeu à moda do clareamento dental exagerado – sim, porque principalmente em se tratando de Hollywood, muitas vezes a ideia do clareamento é levada a um extremo indesejável.

Julianne 1O sorriso da atriz chega a ser até ligeiramente amarelado, mas dentro daquilo que é considerado normal para uma pessoa adulta e bem harmônico com o seu tom de pele e cabelos.

Em muitas ocasiões, olhando as suas fotos, podemos ver que ela tira partido de alguns truques de maquiagem que deixam o seu sorriso ainda mais bonito, usando batons em tons que geram contrastes interessantes para iluminar o seu sorriso.

Julianne está de parabéns pelo ganho da premiação. Mas aqui no Blog Boca e Saúde, a gente reverencia também a sua sábia decisão de cuidar bem dos dentes, mas com o bom senso de manter a aparência natural, sem intervenções desnecessárias e sem se render a modismos. Palmas, menina!