Dez coisas que você precisa saber sobre a cárie

Se você é uma pessoa bem informada, certamente já sabe que a cárie é o problema bucal mais prevalente entre a população. Assim como já deve estar ciente também que aquele pontinho preto, além de doloroso, pode significar inúmeras complicações para a sua saúde.cárie-dentária-2

Mas existem também algumas curiosidades sobre essa patologia, que nem todas as pessoas que se preocupam com a conservação dos dentes e a saúde bucal estão por dentro. Estar atento a elas, certamente irá ajudar, e muito, nas medidas de prevenção para evitar aborrecimentos.

Confira abaixo 10 coisas que você precisa saber a respeito do assunto:

1. Antes de virar um pontinho preto, a cárie se caracteriza por uma mancha esbranquiçada na superfície do esmalte do dente. O dentista consegue detectá-la em estágio inicial e, muitas vezes, pode conter o seu avanço sem necessidade de restauração;

2. Uma cárie leva de algumas semanas a vários meses para evoluir, mas a dor só irá surgir quando a “escavação” se aproximar da polpa do dente (a polpa é formada por um conjunto sensível de nervos e de vasos sanguíneos);

3. A cárie é causada pelos ácidos produzidos pelas bactérias presentes nos restos alimentares deixados na boca. À noite, as bactérias são mais ativas e, por isso, é fundamental que a escovação noturna seja bem meticulosa;

4. A escovação após todas as refeições é essencial para evitar a cárie, mas existe o risco de um tipo de cárie em um local que somente o fio dental é capaz de prevenir, que é a cárie interproximal – aquela que se forma na parede entre dois dentes – nessa região, para a limpeza ser realmente eficaz, o fio dental é indispensável;

5. Junto com a escovação e o fio dental, o flúor é outro aliado no combate à cárie. No Brasil, a água já tem certa quantidade de flúor, mas isso não é suficiente para conter o avanço da cárie sem outras medidas de proteção. Em alguns casos, o seu dentista pode prescrever alguns produtos à base dessa substância para serem usados em casa;

6. A “casa” das bactérias é o biofilme e o cálculo dentário. Apesar da higienização caseira ser fundamental para controlá-los, limpezas periódicas (a cada seis meses) em consultórios dentários são indispensáveis para manter a boca livre dessas colônias;

7. A recessão gengival também pode levar ao surgimento de um tipo de cárie particularmente bastante dolorosa: a cárie radicular, que surge na raiz do dente, quando essa se torna mais exposta. Por essa e outras razões, o tratamento de problemas periodontais nunca deve ser adiado;

8. Uma cárie não tratada, além de atingir partes mais profundas do dente, podendo causar abscessos dentários (infecções) e levar à perda do dente, também é uma porta de entrada para que bactérias caiam na corrente sanguínea, causando várias doenças sistémicas e até a morte do paciente;

9. Outro tipo de cárie muito comum é a chamada “cárie recorrente”, que se desenvolve sobre as superfícies de mastigação dos pré-molares e molares. Isso acontece porque esses dentes têm muitos sulcos que favorecem o alojamento de bactérias e, ao mesmo tempo, costumam ser de difícil higienização (principalmente os molares). Atenção a eles na hora da escovação, portanto;

10. A boca seca (xerostomia), assim como o consumo excessivo de açúcares, também é um fator que predispõe o paciente ao desenvolvimento de cáries. A falta de salivação pode acontecer devido ao uso de determinados medicamentos ou certas patologias. Nesses casos, o acompanhamento odontológico preventivo também é essencial.