Estado geral de saúde do paciente tem de ser avaliado antes de tratamentos

Li dias atrás que uma jovem norte-americana de 17 anos, chamada Sydney Galleger, teria morrido de infarto na cadeira do dentista durante a extração de um siso. O fato, que ocorreu no Estado de Minnesota, nos Estados Unidos, merece algumas considerações.

A primeira delas é a de combater o mito de que a extração de siso, em si, é um procedimento perigoso. Esse é apenas um procedimento cirúrgico, como tantos outros que acontecem em um consultório dentário.

Em contrapartida, devemos nos lembrar que todo processo cirúrgico precisa cirurgiaomobedecer um protocolo, que inclui uma atenta e minunciosa análise prévia das condições gerais de saúde do paciente pelo cirurgião-dentista.

Sem conhecer os pormenores do caso dessa jovem, se considerarmos que todos os cuidados pré-operatórios foram conduzidos corretamente e que seus indicadores eram todos normais, o fato dela ter sofrido um infarto na cadeira do dentista, em princípio, nada mais foi do que uma fatalidade. Aconteceu ali como poderia ter acontecido numa cadeira na sala de aula, por exemplo.

Entretanto, não sabemos como terá sido a condução da anamnese antes de se realizar o procedimento cirúrgico odontológico. Essa conversa prévia consiste numa atenta entrevista, a fim de verificar os indicadores da saúde sistêmica do paciente e, quando for caso, até mesmo pedir alguns exames ou laudos médicos preliminares.

Dessa forma, o cirurgião-dentista tem condições de saber se há contra-indicação para algum procedimento, ou mesmo a necessidade de algum procedimento diferenciado antes, durante ou depois da cirurgia odontológica.

Saber, por exemplo, se o paciente é diabético, se tem pressão alta, se tem alergia a alguma medicação, se tem alguma doença autoimune ou alguma cardiopatia, são dados importantíssimos.

A propósito do episódio ocorrido nos EUA, vale ressaltar ainda que os pacientes portadores de doenças cardiovasculares constituem um grupo que apresenta necessidades especiais no atendimento odontológico. Se cuidados prévios não forem tomados, esses indivíduos podem apresentar complicações graves durante determinados processos invasivos, o que pode levar a quadros como arritimias, angina instável, crises hipertensivas e, até mesmo, infarto agudo do miocárdio.

Ao mesmo tempo, isso é bom frisar, TODAS as pessoas e, ainda mais as que têm alguma doença crônica, precisam entender que os cuidados preventivos com a saúde bucal são fundamentais para manter a boa saúde sistêmica. Manter em dia as visitas ao dentista e procurar realizar os precocemente os tratamentos, assim que surge a indicação, é algo que mantêm o organismo a salvo de diversas complicações.

O paciente deve chegar ao consultório consciente de que seu histórico é muito importante para o dentista. Dar ao profissional todas as informações solicitadas e buscar acatar as suas orientações, são atitudes que contribuem largamente para o sucesso nos tratamentos.

Por isso, na hora de eleger o seu serviço odontológico, é fundamental que o paciente esteja seguro sobre a qualificação e a conduta ética por parte do dentista, e que se sinta à vontade com ele para fornecer todos os dados solicitados, assim como para expor as suas dúvidas e questionamentos em qualquer altura do tratamento.

A relação com o dentista só funciona se for de confiança. Esse é um critério do qual o paciente jamais deve abrir mão na hora de escolher quem irá cuidar da sua saúde bucal!

SAIBA MAIS

– Antes de iniciar um tratamento, o cirurgião-dentista deve fazer uma atenta anamnese para conhecimento prévio do estado geral de saúde do paciente;

– Assim, além de examinar a boca, o profissional fará ao paciente uma série de perguntas, a fim de identificar a presença de situações que podem interferir nas condutas durante os tratamentos. É preciso saber, por exemplo, sobre a existência de determinadas doenças crônicas, alergias ou, até mesmo, alguns hábitos, tais como o tabagismo e o alcoolismo;

– Em algumas situações, o dentista pode requerer alguns exames complementares, como análises de sangue e urina, níveis de proteína C reativa, tempo de sangramento e coagulação,  além de radiografias, tomografias;

– Antes de uma cirurgia – como as extrações dentárias, a colocação de implantes ou mesmo a gengivoplastia-, o cirurgião-dentista também poderá prescrever alguns cuidados pré-operatórios, tais como a suspensão do uso do cigarro algumas semanas antes do procedimento e o uso profilático de medicação anti-inflamatória e antibióticos, por exemplo;

– Em todos os casos, o cirurgião-dentista seleciona o anestésico utilizado no paciente levando em consideração as suas condições gerais de saúde previamente investigadas.

Dra. Marlei Bonella,
Periodontista e Implantodontista.