Jovens estão perdendo molares

A falta de dentes constrange e estigmatiza. Se ela já é difícil de enfrentar na idade adulta e na maturidade, imaginem em plena adolescência. Isso sem contar todos os prejuízos funcionais e cumulativos que a ausência de uma unidade dentária desencadeia!

megatriagem 2014Para nossa preocupação, durante a última megatriagem para a seleção de possíveis assistidos pelo projeto Dentistas do Bem, encontramos um grande número de jovens com idades entre 14 e 17 anos que já apresentam ausência do primeiro molar ou com essa unidade dentária já completamente comprometida.

Infelizmente, a perda desse dente é uma ocorrência relativamente comum quando a família não tem acesso às devidas orientações e a criança cresce sem receber os cuidados básicos de Saúde Bucal.

O quadro costuma ser recorrente em zonas rurais e, ainda hoje, é verificado também em áreas urbanas, junto a populações carentes.

dentes funçõesO que acontece é que o primeiro molar (clique na figura ao lado para localizá-lo e saber mais sobre a sua função) é um dente permanente, que erupciona por volta dos 6 ou 7 anos de idade. Ele é, muitas vezes, confundido com dente de leite. Por isso, as pessoas acreditam que, assim como os outros dentinhos, ele irá “amolecer” e cair.

E o agravante é que existe também a crença de que dentes de leite não precisam receber os devidos cuidados de higienização e nem mesmo tratamento quando apresentam problemas. Assim, os primeiros molares acabam negligenciados. Muitas pessoas só se dão conta de que não nascerá um substituto para esse dente quando ele já está perdido.

O resultado de tanta desinformação e da falta do devido acompanhamento odontológico pediátrico é o que estamos vendo: jovens com menos de 18 anos já com indicação para receberem implantes assim que alcançarem a sua maturidade óssea.

Um fator importante a destacar é a grande preocupação que as pessoas têm com a perda dos “dentes da frente” – isto é, na área que vai de um canino ao outro.

Tecnicamente chamada de corredor estético do sorriso, essa área de fato é a que mais impacta a harmonia do rosto e que causa mais constrangimentos quando apresenta falhas. Porém, o que as pessoas não se dão conta é de que a ausência de QUALQUER dente compromete a funcionalidade da arcada e leva à desestabilização dos demais.

Ou seja, perder o primeiro molar em tão tenra idade aumenta a probabilidade de perda dos “dentes da frente” muito mais cedo, sobretudo porque pacientes que apresentam tal problema tão precocemente tendem a não ter também o devido acompanhamento odontológico posteriormente.

Quando nos deparamos com um panorama assim, o sentimento é de que o projeto da Turma do Bem (TdB) não é só bem-intencionado. Trata-se de uma iniciativa necessária!

Nessa triagem avaliamos cerca de 300 crianças e adolescentes no município de Vitória. Além da perda precoce dos primeiros molares – e talvez como uma das consequências dela -, notamos também um grande número de jovens necessitando de tratamento ortodôntico.

Hoje, somos 300 Dentistas do Bem na cidade de Vitória, mas ainda temos carência de voluntários especialistas em Ortodontia. Estamos permanentemente abertos à incorporação de novos profissionais ao projeto.

Em cada triagem, vemos que não faltam são sorrisos à espera de ajuda. Todo auxílio é sempre muito bem-vindo!

Parte da equipe que participou da últim megatriagem, em Vitória. Da esquera para a direita: Marlei Bonella, Daniela Caliman, Isabela Demuner, Maíra Gama e Gleicy Kelly Ribeiro.
Parte da equipe que participou da últim megatriagem, em Vitória. Da esquera para a direita: Marlei Bonella, Daniela Caliman, Isabela Demuner, Maíra Gama e Gleicy Kelly Ribeiro.
A megatriagem para o projeto Dentistas do Bem ocorreu, simultaneamente, em 12 países, no último dia 25. No Brasil, a ação foi realizada em 270 cidades. Em Vitória, ela foi realizada na escola municipal Marieta Escobar, no bairro Santa Martha, com a participação das coordenadoras Marlei Bonella e Maíra Gama; da dentista Lícia Lugon; das estudantes de Odontologia Isabela Demuner, Daniela Caliman; da assistente odontológica Gleicy Kelly de Moura; e dos voluntários Giovani Zorzal Nodari e Laura Pianissola Zorzal. Os pareceres técnicos das avaliações foram enviados à coordenação da TdB em São Paulo. Agora, aguardamos os resultados dos casos selecionados para receber atendimento gratuito pelos Dentistas do Bem que atuam em nossa cidade.