Problemas gengivais são alvos de alerta da Organização Mundial de Saúde

O alerta é da Organização Mundial de Saúde (OMS): a doença periodontal é o Periodontitesegundo problema bucal mais preocupante em nível mundial, depois da cárie. Pior, a estimativa é de que a a periodontite na sua forma leve e moderada afete a maioria dos indivíduos adultos em todo o mundo.

Portanto, se você não sabe exatamente o que é essa patologia, está na hora de ficar atento!

A periodontite é o estágio que vem logo após a gengivite, o quadro sintomático inicial da doença, que é caracterizado pela inflamação e pelo sangramento da gengiva. Depois disso (isto é, na periodontite leve e moderada), o quadro infecto-inflamatório já avança em direção à raiz do dente, levando à destruição das fibras de sustentação e de tecido ósseo.

Se não for tratado a tempo, esse quadro segue progredindo e comprometendo a estética e a funcionalidade dos dentes, devido à retração gengival, presença de secreção purulenta, mau hálito, sangramentos e mobilidade dentária, culminando na perda de dentes. Na sua forma avançada, a periodontite atinge de 5% a 20% de qualquer população, conforme apontam os estudos.

As causas desse problema são multifatoriais, sendo que a falta de limpezas periódicas em consultório dentário para a remoção da placa bacteriana e do cálculo dentário, juntamente com a intervenção precoce quando a gengivite se manifesta, estão entre as principais situações que permitem o surgimento e o avanço da periodontite.

Mesmo as pessoas que conseguem manter uma rigorosa rotina de higienização dentária em casa, dentro dos padrões ideais, com escovação após todas as refeições e uso de fio dental, não estão livres dos riscos da doença periodontal. Afinal, se a escovação for feita de forma errada, ela será ineficiente e, além disso, também pode causar lesões à gengiva, criando um ambiente propício para a proliferação de bactérias.

Além disso, fatores genéticos e circunstanciais também deixam alguns pacientes mais predispostos à formação de placa bacteriana e cálculo dentário, aumentando os riscos de aparecimento da doença periodontal.

Sim, existem pessoas que formam mais placa bacteriana em seus dentes do que outras, e não existe uma razão objetiva para isso, a não ser uma predisposição genética. Esses são pacientes que precisam estar ainda mais atentos e realizar as limpezas em consultório com maior frequência.

Entre os demais fatores que contribuem para o aumento desse risco estão ainda: o tabagismo, o estresse (por diminuir as defesas do organismo) e doenças como diabetes mellitus e AIDS.

No caso do diabetes é preciso ainda destacar que a doença periodontal é vista como uma via de mão dupla com a doença. Ou seja, tanto o paciente diabético tem maior disposição para desenvolver a doença periodontal, quanto essa patologia, quando não é bem acompanhada, pode contribuir para agravar a saúde sistêmica desses indivíduos.

Muito bem, listados todos esses dados e fatos, agora você entende por que é preciso pensar duas vezes antes de adiar aquela visita ao dentista, não é?

GENGIVITE VALE