Quando as mães ganham mais razões para sorrir

No Brasil e nos Estados Unidos, o Dia das Mães é considerado a segunda melhor data para o comércio, perdendo apenas para o Natal, conforme dados de associações comerciais dos dois países. Se pensarmos em quem é alvo das homenagens, nada mais merecido. Entretanto, como aqui o nosso foco é Saúde e, logo, bem-estar e qualidade de vida, a proximidade de um evento assim não deixa de suscitar algumas reflexões.

Com a intenção de surpreender e de realizar o sonho das suas mães, muitos filhos investem alto em presentes caros. Eletrodomésticos de última geração parcelados em diversas prestações – muitas vezes com juros altíssimos – móveis, roupas, jóias e até viagens também entram na lista.

mae e filhaO importante é fazer a felicidade daquela a quem sentimos que tanto devemos e que, se pudéssemos, manteríamos firme e forte ao nosso lado para sempre.

Entretanto, no consultório dentário não é raro termos a oportunidade de ouvir dessas mulheres que o seu maior sonho é ter o seu sorriso reabilitado, completo e brilhante novamente.

Para quem ainda não chegou lá, pode não parecer, mas perder os dentes ou perder a estética do sorriso é algo que compromete a autoestima e interfere nas relações sociais e na autoimagem. Isso sem contar que a saúde bucal em ordem está diretamente relacionada a um organismo mais saudável.

Olhando por esse lado, então, fica difícil entendermos por que alguns tratamentos não são alvo de preocupação severa por parte da família – sendo que muitos deles são, inclusive, de custo significativamente inferior a determinados bens de consumo com os quais simplesmente é impossível estabelecer qualquer relação de retorno em termos de benefícios para a saúde e a qualidade de vida.

Nas últimas décadas, a visão da Odontologia vem mudando e evoluindo de uma área do saber que cuidava dos problemas da boca e dos dentes, para o segmento científico que efetivamente cuida e zela pela saúde bucal.

Do lado dos pacientes, a mudança dessa visão vem mudando mais lentamente. É bem verdade que muitos filhos mais atentos, dentro de suas possibilidades, já presenteiam mães com a realização dos tratamentos que elas necessitam ou mesmo com a primeira consulta e a profilaxia. A realização e a alegria dessas pacientes costumam ser gigantescas.

Mas, em escala, ainda vemos muito mais pais preocupados em zelar pelo tratamento ortodôntico do filho adolescente, por exemplo, do que o filho adulto comprometido com o tratamento periodontal ou o implante do qual a mãe ou o pai necessitam. Essa ainda é uma questão cultural e também de informação e conscientização sobre a importância da saúde bucal na maturidade.

Não tenho dúvidas do quanto essa visão poderá mudar quando as pessoas se derem conta do grande impacto de que os tratamentos odontológicos podem causar na saúde e, até mesmo, na longevidade do seus entes queridos. Nenhum bem de consumo se equipara a isso. O que está em causa, portanto, é uma questão de percepção de valor.

Dra. Marlei Bonella
Periodontista e Implantodontista