Saúde bucal: um ponto-chave para o bem-estar na maturidade

Trabalhar promovendo e proporcionando saúde é algo muito gratificante. Aqui no IOS vivencio isso no dia a dia, por meio de cada sorriso reabilitado ou mantido a salvo de complicações. Mas se tem uma coisa com um sabor todo especial é quando sentimos que nossa colaboração pode também acontecer em maior escala.

Quando temos a oportunidade de compartilhar conhecimento, orientar e disseminar informações que podem fazer a diferença a um grupo de pessoas ou comunidade, isso é maravilhoso. Por isso, sempre que sou convidada para falar de Odontologia, compareço com muito gosto. E assim foi no último dia 27, junto aos associados do PASA, na Aposvale.

Os associados do PASA, na Aposvale.
Os associados do PASA, na Aposvale.

Esse foi um convite para lá de especial, feito pela Graziella Reis Ramos, do PASA, que aceitei de pronto. Afinal, a saúde bucal na maturidade é um tema central em minha atuação como periodontista e implantodontista. Quem nos acompanha aqui no Blog Boca e Saúde sabe bem como esse é um tema recorrente nas nossas pautas.

Não me canso de chamar atenção para o fato de que, com o avanço da idade, o organismo torna-se mais delicado em vários sentidos, sendo a boca uma área que exige especial acompanhamento.

Se mais atenção for dada a esse aspecto, se o devido acompanhamento odontológico for uma prioridade nessa fase da vida, estaremos impactando positivamente na saúde sistêmica, na prevenção de doenças, no conforto e no bem-estar dessas pessoas. Isso sem falar dos aspectos positivos para a autoestima e para a sociabilidade desses indivíduos.

Por isso, fiquei tão feliz de poder fazer parte dessa importante ação desenvolvida por um plano de saúde!

Equivocadamente, muitas pessoas ainda pensam que a preservação das estruturas dentárias é uma questão secundária na maturidade. Elas ignoram a estreita relação que isso tem com a saúde global. A manutenção dos dentes permanentes, a boa saúde das gengivas, bem como a reposição de unidades dentárias perdidas – principalmente por meio de implantes – podem ser a chave para uma vida muito mais plena e com muito mais qualidade.

Por outro lado, a perda de unidades dentárias, a convivência com problemas como gengivas irritadas ou inflamadas, próteses mal ajustadas, diminuição do fluxo de saliva, causam mais do que dor e incômodos localizados. São situações que colocam a saúde global em xeque, aumentando a predisposição ou o risco para quadros como diabetes, endocardite, bacteremias em geral.

Estudos comprovam também que, inúmeras vezes, o declínio das funções orais (perda de dentes, capacidade mastigatória, convivência com problemas crônicos como gengivite e/ou periodontite, etc.) comprometem tão profundamente a autoestima e a autoconfiança que acabam sendo as razões de fundo para o isolamento social.

Os associados do PASA que estiveram presentes.
Os associados do PASA que estiveram presentes.

Falar sobre tudo isso, poder dar orientações mais detalhadas sobre a correta higienização bucal no dia a dia, explicar os princípios de uma atitude preventiva e mostrar também como podemos agir na reabilitação de sorrisos foi algo muito gratificante. Só tenho a agradecer àqueles que me convidaram para esse encontro e a cada um dos associados do PASA que estiveram presentes.

No mais, seguimos aqui, à disposição de todos que quiserem saber mais, trocar ideias e ouvir falar sobre saúde bucal. Para mim, pessoalmente, isso é sempre uma enorme satisfação!

 

Marlei Bonella,
periodontista e implantodontista.